O que tem no blog?

ATENÇÃO: Se tiver dificuldade de leitura pelo tamanho da letra tecle '+' enquanto segura apertada a tecla 'ctrl'

Objetivos do Blog

Roraima é um paraíso pra qualquer birdwatcher. São cerca de 806 espécies distribuídas em um território, em grande parte plano, de 225.116,10 km2, onde durante 8 meses temos sol diariamente e uma luz maravilhosa que fica mais evidente no começo e no final dos dias favorecida pelo relevo e pela latitude. A grande variedade de habitats e as extensas faixas de território pouco perturbadas pela presença humana competem para a existência em abundância de inúmeras espécies, muitas delas com poucos registros e pouco estudadas. Esse blog tem a pretensão de ser uma forma de divulgar o turismo de observação de aves nesse Estado além de fornecer algum subsídio a pesquisadores da avifauna brasileira através da publicação de fotografias com os devidos registros de localização, data e observações que forem consideradas pertinentes.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

domingo, 12 de fevereiro de 2012

João-de-barba-grisalha ( Synallaxis kollari )



   Passarinhada na ponte da Vila Passarão (zona rural de Boa Vista)  
  O joão-de-barba-grisalha é uma ave passeriforme da família Furnariidae.
Anteriormente estava classificada no gênero Poecilurus.


Mede 16 centímetros. Emite um chamado dissilábico e distingui-se de outras espécies pelo colorido da garganta e plumagem do corpo em tons ferrugíneos.

Seu habitat parece restrito à floresta densa. Embora nós podemos encontrá-lo em região pantanosa, sobre uma vegetação um pouco mais aberta e menos espessa.


Tem uma escala muito pequena ao longo do rio Branco, em Roraima, e outros rios no norte extremo do Brasil e na fronteira com a Guiana. Sabe-se somente de seis locais e é classificado atualmente como em perigo pela Birdlife Internacional.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Téu-téu-da-savana

Téu-téu-da-savana (Burhinus bistriatus - Wagler, 1829)

  
    O téu-téu-da-savana é uma ave charadriiforme da família Burhinidae.

    Características

    Mede 43cm de comprimento e pesa até 700g. Ave curiosa, semelhante em aparência as abetardas, do Velho Mundo. Seu nome é onomatopéico e aparentemente vocaliza apenas durante a noite, uma vez que é ave crepuscular.

    Alimentação

    Forrageia bicando no solo, presas, como pequenos roedores, lagartixas, minhocas e vermes.

    Reprodução

    Nidifica em cavidades que o casal escava no solo, chocando dois ovos.

    Hábitos

    Localmente comum, vive nos campos limpos de Boa Vista, Roraima e de áreas de campinarana do Amapá, adentra, por vezes, as monoculturas de Pinus ou em terras recém-aradas. Aproxima-se de áreas habitadas, estradas e campos de aterrissagem de aeronaves em fazendas. Quando são perseguidas, deitam no solo esticando a cabeça como as emas. Seus olhos refletem o farol dos carros na auto-estrada ao anoitecer e muitos indivíduos aparecem atropelados.

    Distribuição Geográfica

    Presente em Roraima, Amapá, norte do Amazonas e região de Belém. Expande sua área de ocorrência em direção ao Amazonas pela abertura de áreas florestadas para pastagens. Excepcionalmente, alcança as áreas ao sul do estuário do Rio Amazonas, chegando a Belém do Pará e ao estado do Ceará (dois únicos registros). Também ocorre na Venezuela, Colômbia e Guiana.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Breve Passarinhada no Tepequém em 05/10/2011

Arara-canindé (Ara ararauna - Linnaeus, 1758)
    
    O Tepequém é uma pequena vila no alto da serra do Município do Amajari, RR que foi povoada por garimpeiros de diamante na época áurea do garimpo e tem se especializado na recepção de turistas que buscam um maior contato com a natureza. Trata-se de uma região com várias cachoeiras e opções de trilhas além do aspecto histórico da evolução do garimpo no local (ruínas da vila original, pista de pouso de avião paralelamente à qual se desenvolveu a principal rua da vila atual além do contato com garimpeiros que ainda hoje buscam a sorte em garimpo de pequena escala e pouco impacto). Ao contrário do que possa parecer, no garimpo de diamante não existe a competição selvagem característica do garimpo de ouro o que acabou por constituir uma comunidade pacata e muito hospitaleira onde a violência praticamente inexiste (a polícia de Amajari raramente sobe ao Tepequém por não haver demanda de crimes no local). As pousadas da Vila são simples mas aconchegantes com ambientes que propiciam um conforto razoável e privacidade. Além dessas pousadas, um pouco afastada do povoado, existe a conhecida pousada do Sesc construída dentro da mata e que oferece opções de lazer como piscina de água natural, parquinho para as crianças, tirolesa, etc. 

caneleiro-preto
Pachyramphus polychopterus (Vieillot, 1818)
Tudo isso em meio à mata exuberante frequentada por um grande número de espécies de aves entre as quais se visualizam com relativa facilidade o japu-verde, a gralha-violácea, gaturamos, caneleiros, aracuãs e tantas outras.

gralha-violáceaCyanocorax violaceus Du Bus, 1847
    Nessa viagem saí de Boa Vista às 19h do dia 4/10 e cheguei ao Tepequém às 21:30h percorrendo pouco menos de 200 km de estrada asfaltada em bom estado. Viajei acompanhado da esposa, minha filha de 6 anos e minha enteada bióloga. No dia 5, por volta das 5:50h me levantei e fui dar uma volta no quarteirão da pousada e, em 1 hora e meia de passeio, avistei várias espécies como a guaracava-de-barriga-amarela, o sanhaçu-de-coleira, o rouxinol-do-rio-negro, periquito-de-bochecha-parda, papagaio-campeiro, ariramba-de-cauda-verde, japu, alguns beija-flores, etc. Foi nesse trecho que recentemente o Anselmo d´Affonseca fotografou o uirapuru-cigarra que fez tanto sucesso no wikiaves.


guaracava-de-barriga-amarela
Elaenia flavogaster (Thunberg, 1822)

    Às 7:30 saimos para uma pousada onde servem  a tapioca que é típica aqui no Norte e um cafe-da-manhã sem muito luxo mas bem gostosinho. De lá saímos em direção à Cachoeira do Barata (uns 3km) e no caminho  fiz a foto da ariramba-preta.  No local da parada dos carros são frequentes algumas espécies de beija-flor, o surucuá-grande-de-barriga-amarela, o tem-tem-de-dragona-vermelha, arirambas, sanhaçus, saíras e muitas outras. Às 10:30 resolvemos ir a outra cachoeira (do Paiva) que é uma grande queda d´água cercada por floresta que é visualizada de cima no local da parada dos carros. Antes passamos pela antiga Vila do Tepequém que foi quase totalmente destruída pelo tempo onde avistei a gralha-violácea e o gavião-pedrês e logo em seguida nos dirigimos à Cachoeira do Paiva onde registrei o gibão-de-couro e a saíra-amarela (ambas espécies bem diferentes das que ocorrem mais ao sul), o tem-tem-de-dragona-vermelha (macho e fêmea), bem-te-vis, sanhaçu-de-coleira, sanhaçu-da-amazônia.


surucuá-grande-de-barriga-amarela Trogon viridis Linnaeus, 1766
    Não chegamos a descer a cachoeira em função de um problema no joelho de minha esposa.


tem-tem-de-dragona-vermelha Tachyphonus phoenicius Swainson, 1838



sanhaçu-de-coleira Schistochlamys melanopis (Latham, 1790)





ariramba-preta Brachygalba lugubris (Swainson, 1838)

   Às 12:30 nos dirigimos à mesma pousada do café da manhã (Pousada da Iodete) para almoçar e em seguida fomos buscar as nossas malas na Pousada Tepequém. Na volta passamos pela Pousada do Sesc onde pedimos autorização para fazer uma visita. Passamos umas duas horas ali e, numa das poucas oportunidades em que pude ficar dentro da mata nessa viagem, me vi rodeado de espécies com poucos registros fotográficos. Fiquei sentado em uma trilha com a ansiedade de quem acaba de chegar ao céu. A dois metros de mim, um aracuã-pequeno (eu nunca tinha conseguido me aproximar dessa ave), nos galhos baixos ao lado um casal de caneleiro-preto, no chão da mata, muito próximo, o canto de um papa-formiga-de sobrancelha, um rouxinol-do-rio-negro que pensei ser um xexéu ficou muito tempo próximo...e entre outras que não registrei eis que surge um lindo casal de capitão-de-fronte-dourada


papa-formiga-de-sobrancelha Myrmoborus leucophrys (Tschudi, 1844)


capitão-de-fronte-dourada Capito auratus (Dumont, 1816)


capitão-de-fronte-dourada Capito auratus (Dumont, 1816)


    Já no caminho de volta, na descida da serra, registrei o gavião-branco, o gavião-de-anta e um casal de arara-canindé (havia muitas espalhadas em um pasto com palmeiras) além de várias outras espécies que não consegui registrar por ser o único passarinheiro empolgado do carro rsrsrs. Às 19:30 estava em casa com os bolsos cheios de passarinhos!


aracuã-pequeno Ortalis motmot (Linnaeus, 1766)
    O Tepequém é uma região muito rica em espécies, vale notar que nessa viagem passei pouquíssimo tempo buscando ativamente avistar as aves. O que registrei foi em pequenos períodos em que consegui me afastar da família ou nos caminhos da ida e da volta das cachoeiras e de Boa Vista.
    *Dica da vez: em geral há duas maneiras de se buscar avistar as aves na mata: ou vc vai de encontro ao canto, sempre caminhando, usando playback e procurando não fazer movimentos bruscos ou ruído excessivo ou você elege alguns pontos da trilha pra ficar parado esperando que os bichos se acostumem com a sua presença e se aproximem. O meu melhor momento nessa viagem foi quando me sentei na trilha num local onde avistei algumas espécies e permaneci lá por algo em torno de uma hora.

domingo, 9 de outubro de 2011

Casa Ecológica

video
    Estou postando um link copiado do facebook de Tietta Pivatto de um projeto bem interessante de residência com um espaço interno muito amplo e bem agradável. Vale a pena conferir.